19
mar
2014

Vice prefeito de Açailândia Juscelino Oliveira fala sobre o caos administrativo implantado no município

Juscelino

Juscelino Oliveira(PP) também é pré-candidato a Deputado Estadual

Juscelino Oliveira é político influente, ex-vereador, atual Vice-prefeito de Açailândia e empresário do ramo da construção civil. Detentor de grande credibilidade e prestígio junto à classe empresarial, bem como à população de Açailândia e região.

Na qualidade de um dos fundadores do município, Juscelino Oliveira, sempre teve uma participação ativa no processo político e social de Açailândia. Colaborou e participou ativamente do processo de emancipação do município. Fixou residência em Açailândia desde dezembro de 1979, sendo um dos primeiros funcionários na região do Projeto da Estrada de Ferro Carajás – EFC, exercendo função de chefe administrativo.

Abaixo, recente entrevista concedida ao Jornal do Maranhão, com abrangência na Região Sul do Estado:

JM: Quando você assumiu o cargo de Vice-prefeito, a população de Açailândia acreditava e esperava que você, fosse o “Juscelino” que todos conhecem: atuante e participativo, o que aconteceu e por que você como Vice-prefeito não participou até o momento da administração municipal?

Juscelino: Infelizmente a função de Vice-prefeito é muito cruel, principalmente para aqueles que querem trabalhar em prol do seu município, embora a função seja constituída por lei, não existe nenhuma definição jurídica que lhe garanta a sua participação direta na administração, é uma prerrogativa exclusiva da prefeita. Quando se quer governar em parceria é salutar e muito benéfico para a cidade, quando não, fica apenas na contribuição da ajuda para ganhar as eleições. Deus é sabedor que bem que eu tentei por várias ocasiões fazer parte da administração, me coloquei à disposição da prefeita diversas vezes, mas, sempre fui ignorado… Contudo, mesmo isolado da cúpula do governo, procurei fazer minha parte e continuo fazendo dentro das minhas limitações, como por exemplo: Logo no início do governo, conseguir através do Deputado Federal Weverton Rocha, um milhão de reais para a pavimentação da Vila Progresso II, depois, conseguir mais duas emendas parlamentares; uma com o Senador Lobão Filho e outra com o Deputado Kleber Verde, porém, foi tudo em vão! Infelizmente o município estava e continua inadimplente no CAUC e esses recursos, em torno de quase três milhões de reais, que deveriam vir para Açailândia, foram infelizmente remanejados para outros municípios, o que é uma pena!

No Estado, ainda conseguimos alguns benefícios, principalmente na Secretaria de Estado da Agricultura (SAGRIMA), através do bom relacionamento que tenho com o Secretário, Dr. Cláudio Azevedo, aonde o mesmo liberou para Açailândia, cinco poços artesianos, quinze kits de irrigação, tanques de resfriamentos, dentre outros benefícios. No entanto, por motivos ainda desconhecidos, percebi que paralelamente, a prefeita criou outra espécie de secretaria de agricultura – uma de fato e outra de direito – atribuindo funções a pessoas totalmente alheias aos assuntos da agricultura, dando uma clara demonstração que não queria que eu me envolvesse nos assuntos do governo, foi quando me convenci que eu era uma “persona non grata” na cúpula governamental, então, eu tive que procurar outras formas de trabalhar e ajudar o nosso município…

JM: Como? Por exemplo?

Juscelino: Simplesmente voltei a atuar da mesma forma de antes, como uma espécie de lobo solitário… Reorganizei o Instituto JK e através dele, elaborei vários projetos do “Minha Casa Minha Vida” dentro do Programa Nacional de Habitação Rural – PNHU, para o povoado Novo Bacabal, Bela Vista e PA Francisco Romão, em torno de 200 casas populares. Conseguir também trazer par o nosso município, a implantação de uma unidade de atendimento da JUCEMA, pois, como todos sabem, que apesar da invejável renda per capita do município com o alto índice de empregos gerados pelas indústrias e empresas locais, a cidade não possuia uma junta comercial que pudesse atender as necessidades locais e regionais dos nossos empresários, agora temos. Etsamos tentando trazer através da ajuda do Ministro Lobão, dois terminais da Receita Federal para ser implantado no Prédio do INSS e outros benefícios.

JM: Em sua opinião, na função de Vice-prefeito, o que você considera de mais importante de benefícios que você conseguiu para Açailândia?

Juscelino: Não só em minha opinião, mas na opinião de muitos em Brasília, foi à ideia da criação do COMEFEC, o Consórcio dos municípios da Estrada de Ferro Carajás. Não foi fácil, mas graças a Deus, ele colocou em meu caminho, a prefeita de Bom Jesus das Selvas, Cristiane Damião. O Maranhão terá uma dívida impagável para com este Consórcio, Através do mesmo, é que já conseguimos com  a  VALE S/A, mais de 85 milhões de reais em benefícios para as cidades impactadas pela Ferrovia Carajás, com exceção de Açailândia, que não quis participar do Consórcio e tentou barganhar sozinha e infelizmente teve que se contentar com apenas uma pequena reforma no Hospital Municipal. Só pra se ter uma ideia, o município de Bom Jesus das Selvas, foi contemplada com quase nove milhões de reais em projetos, imagine se Açailândia estivesse nesse rateio, pois o nosso município, além de ter a maior população, possui a maior extensão de ocupação territorial da ferrovia, que são os critérios usados para a distribuição dos recursos oferecidos pela VALE.

No entanto, o mais importante, foi a conquista do Consórcio conseguir convencer os Deputados Federais da Comissão (entre mineiros e paraenses) em especial, o Deputado Federal  e Relator do Projeto de Lei (PL 5807/2013) do Marco Regulatório da Mineração, Leonardo Quintão (PMDB-MG), inserir os municípios maranhenses não produtores de minérios, mas afetado de alguma forma pela atividade da mineração, participar do rateio da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais, denominado de CFEM. Na audiência pública no Congresso Nacional, os prefeitos do Consórcio, começaram a reivindicarem pelo menos 4% do rateio, todavia, graças a fundamental interferência do nosso Ministro de Minas e Energia, Senador Édison Lobão, que inclusive disponibilizou um avião da FAB para levar a Comissão na Audiência Pública em Marabá (PA), onde compareceu mais de 15 prefeitos maranhenses, conseguimos a façanha de sair de lá acertado com a Comissão do Marco Regulatório da Mineração, a reserva de 10% do total arrecadado com os royalties da mineração produzida na Serra dos Carajás e Canaã dos Carajás (PA), o que significa mais de 500 Milhões de reais, conquista esta, que trará para os municípios maranhenses, inclusive para Açailândia, um repasse pelo o Governo Federal de mais de quatro milhões de reais todos os meses, ou seja, mais que o dobro do FPM do município. Inclusive, quero aqui de público agradecer em nome da nossa Presidente do COMEFEC, Cristiane Damião e todos os prefeitos que compõe esta entidade, ao nosso Senador e Ministro, Édison Lobão, pois, sem a interferência dele, nada disso tinha acontecido. – Obrigado meu querido Senador!

JM: Você sabe por que a prefeita Gleide Santos não quis participar do COMEFEC?

Juscelino: Em minha opinião, é por que ela não tem noção da dimensão e da importância do Consórcio para o nosso município, ou talvez, porque este Consórcio foi idealizado pelo o Vice-prefeito do município que ela governa.

JM: Você tem conversado com Prefeita sobre algum assunto do Município?

Juscelino: Não! A última vez que nos falamos, foi nos meados de julho do ano passado, quando por telefone falei com ela para discutir, inclusive, sobre o COMEFEC, ela me disse que estava em Imperatriz, mas assim que chegasse ela me ligaria para falarmos sobre o assunto, não Ligou! Mas, mesmo assim, liguei por várias vezes e quando era atendido, sempre era uma Assessora dizendo que a mesma estava em reunião, me cansei disso e parei de ligar e nunca mais nós nos falamos.

JM: Sabemos que você ouviu a entrevista da Prefeita Gleide Santos na Rádio Marconi, quando ela atacou duramente o Judiciário, como você avalia as colocações da Prefeita e o que você achou da entrevista, Você concorda com ela?

Juscelino: em minha opinião a entrevista foi inoportuna, acho que o diálogo entre os poderes sempre foi o melhor e o único caminho, afinal, os poderes são harmônicos entre si, porém, não podemos confundir relação de harmonia com uma relação de interesses particulares, evidentemente, que cada qual em suas funções, afinal, todos têm seus direitos e obrigações. O Ministério Publico está apenas cumprindo o seu papel e ninguém pode cerceá-lo dessas prerrogativas. Se acaso, alguém se sentir perseguido, o direito de um acaba quando começa o do outro, é pra estes casos que o Judiciário existe: – dar direito a quem tem. As leis que não protegem nossos adversários não podem proteger-nos no futuro.

JM: Se você fosse convidado hoje para assumir uma pasta na atual administração, você aceitaria?

Juscelino: Definitivamente não! Não por medo do desafio, mas sim, pela sincronia governamental que não existe nessa administração, porém, ainda estou torcendo que ela se recupere e faça um bom governo, afinal, nós devemos isso ao povo de Açailândia. Fizemos uma da mais bonita campanha já realizada no município, prometemos muitas coisas… No entanto, até agora nada foi realizado e isso me deixa frustrado, embora não fazendo parte da administração, eu desejo de todo coração que ela se reestabeleça e ponha um pouco de humildade em seu coração, escute mais a sua equipe, pois ainda há tempo de mostrar ao povo de Açailândia que todo esforço da maioria da população, valeu a pena. Por outro lado, não podemos atribuir culpa de um governo que ainda não se acertou, na sua equipe de trabalho, seria injusto! Se o Capitão não passar as coordenadas correta aos seus imediatos, nunca o navio chegará ao seu destino.

JM: Você se sente injustiçado por ter se esforçado tanto na campanha e não ser reconhecido?

Juscelino: De certa forma sim, mas, por outro lado, fico até agradecido a ela por não ter me aceitado na sua equipe da administração. Pois com certeza, a exemplo de quase todo secretariado que já foi demitido, eu estaria nessa relação. É bom lembrar que segundo suas próprias palavras, essa equipe não foi nomeada por ela, mas sim por Jesus Cristo. Será que Cristo errou?

JM: Juscelino é candidato na próxima eleição?

blankJuscelino: Sou um pretenso candidato a Deputado Estadual! Mas para que eu saia candidato, antes vou consultar a opinião da nossa querida população. Açailândia e a região precisa e precisa muito de um representante na Assembleia Legislativa que tenha conhecimento e saiba defender os interesses da nossa região. Enquanto alguns só pensam em ser prefeito, eu me contento com a missão de representar a nossa região na Assembleia do meu Estado do Maranhão.

JM: Mas se por ventura, a justiça cassar o mandato da atual prefeita, você é o Vice-Prefeito,  você assumiria a prefeitura e renunciaria sua candidatura de Deputado?

Juscelino: Amigo Cesar Junior é uma pergunta muito complexa e de certa forma muito embaraçosa. Antes de lhe responder, eu aqui de público vou deixar alguns esclarecimentos para o povo de Açailândia e principalmente para aqueles que admiram o meu trabalho: A minha vida toda foi um desafio, como a de “Daniel na cova dos leões”. Quero dizer que jamais fugir das minhas responsabilidades sociais, no entanto, fui candidato para ser Vice-prefeito e não prefeito, portanto, sempre me contentei com essa posição, aliás, me encho de orgulho, quando falo para os meus filhos, que sair de Pedreiras, onde fui vendedor de picolé e lavador de carro e hoje eu sou o Vice-prefeito de uma das 20 cidades mais promissora do Brasil. Entretanto, embora, nunca passou pela cabeça, tomar posição ou lugar de ninguém, a função do Vice-prefeito é exatamente essa: assumir o lugar do prefeito, quando o mesmo se ausentar por mais de 15 dias ou quando o mesmo perder o mandato por qualquer questão, nesta última hipótese é claro que eu não fugiria da minha responsabilidade social, eu assumiria sim mais este desafio. Eu sei que alguns políticos e pretensos políticos, odeiam essa possibilidade, pois eles me conhecem e sabem como eu agiria no comando desse município. Por fim, vamos deixar que a  terra e o universo sigam seu curso natural.

JM: Juscelino, de antemão, agradeço por conceder esta entrevista e fique a vontade para suas considerações finais.

Juscelino: Eu é que tenho que agradecer ao Jornal do Maranhão pelo o espaço concedido e dizer aos queridos açailandenses, que tenham fé e esperança, pois dias melhores virão e que a paz esteja presente em todos os momentos vividos pela a nossa querida cidade. Muito Obrigado!

 

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

  • Você também pode comentar usando o Facebook!

Siga-me no Facebook

Contatos


Email: domingos.costa@hotmail.com
WhatsApp: (98) 98807-7894

Publicidade

blank

TV TIMBIRA

blank

RÁDIO TIMBIRA

 

Rádio Timbira Ao Vivo