Em menos de um ano “Imperador” foi preso três vezes sob acusações de participação em esquema de desvio de recursos públicos. Desta vez, novo mandado de prisão preventiva foi expedido durante a deflagração da operação Paulo Ramos II, no entanto, o empresário “das fantasmas” não foi localizado, e portanto, é considerado foragido.

eduardo-dp-arlene-barros-dom-pedro

Três vezes preso por envolvimento em desvio de recursos, “Imperador” está novamente sendo procurado pela polícia.

Único mandado de prisão preventiva do total de oito determinados pelo Desembargador Raimundo Nonato Magalhães Melo que a polícia civil não conseguiu cumprir nesta terça-feira (05) foi do empresário Eduardo José Barros Costa, o Eduardo DP – filho da prefeita de Dom Pedro, Arlene Costa. Conhecido nos bastidores da política como “Imperador”, ele agora é considerado foragido.

As investigações que desencadearam a Operação Paulo Ramos II foi coordenada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) e pela Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção (Seccor), o foco dessa face foi o prefeito de Paulo Ramos, Tancledo Lima Araújo, filiado ao Partido Verde.

Os outros cinco presos são: O secretário de Administração e Finanças do município, Joaquim Lima Araújo (irmão do prefeito), George Esber Mansour, Moussa Esber Mansour (sócios da empresa JS Silva, utilizada em licitações fraudulentas para o desvio de recursos públicos), Geovana Carla Costa Freitas Mansour, além de José de Alencar Miranda, pai do agiota Gláucio Alenca e Luis Antonio Meireles Gomes, funcionário de Eduardo DP.

DP é um velho conhecido da polícia; Eduardo contabiliza três prisões por corrupção, o blog fez abaixo rápida apanhado sobre cada uma delas, acompanhe:

1ª PRISÃO: Em março de 2015 [Operação Imperador– Apontado nas investigações conjunta do Ministério Público e da Polícia Civil como o principal suspeito do desvio do esquema de R$ 5 milhões de diversas prefeituras, incluído a de Dom Pedro, onde sua mãe, Arlene Barros, foi prefeita, DP segundo a polícia, possui dois CPF’s e três identidades, assim como a ex-prefeita. Ele teria ainda dez empresas que negociavam com agiotas dinheiro da merenda escolar, de medicamentos e equipamentos hospitalares.

2ª PRISÃO – Novembro de 2015 [Operação El Berite II] – Além de DP, nessa operação foram presos novamente pela Polícia Civil, o agiota Josival Cavalcante da Silva, o “Pacovan”, e o ex-prefeito de Bacabal Raimundo Lisboa. Os três foram acusados pelo Ministério Público de desviar R$ 4,5 milhões dos cofres públicos de prefeituras maranhenses, parte desse dinheiro da prefeitura de Bacabal.

3ª PRISÃO – Maio de 2016 [Operação Imperador 2] – Eduardo foi preso pela terceira vez sob acusação de participação em um esquema de agiotagem e fraudes em licitações na cidade, de Dom Pedro. A polícia maranhense afirma que mais de R$ 5 milhões foram desviados pela gestão Arlene Costa – mãe de DP, entre 2009 e 2012. Só para a conta pessoal de “Eduardo DP” foram desviados mais de R$ 3,6 milhões.

2 Responses so far.

  1. Raimundo disse:

    E esse sujeito ainda diz que é candidato a prefeito de Dom Pedro e ainda acha quem vote nele. É muito cara de Pau.

  2. […] preso o prefeito de Paulo Ramos, Tancledo Lima Araújo (PV), e outras cinco pessoas (LEMBRE). Todos, segundo a polícia e o MP, integrantes de uma organização criminosa responsável por […]