16
jun
2016

Tabela em delação de Machado cita propina de R$ 400 mil a Sarney Filho

Ministro do Meio Ambiente teria recebido parte de dinheiro destinado ao pai. Ex-presidente da Transpetro detalhou à Lava Jato pagamentos a 20 políticos.

Sarney-1024x683

Sarney Filho é acusado de receber R$ 400 mil do esquema de propina da Transpetro.

Uma tabela que consta da delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que teve o sigilo derrubado nesta quarta-feira (15), fala em pagamento de R$ 400 mil de dinheiro de propina ao atual ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho.

O G1 procurou a assessoria de Sarney Filho e aguardava resposta até a publicação desta reportagem. Machado firmou acordo de colaboração com o Ministério Público Federal, no âmbito da Operação Lava Jato. A delação, de 400 páginas, foi homologada pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Aos investigadores, Machado diz que pagou propina a 20 políticos de seis partidos. Indicado para a Transpetro pelo PMDB, ele contou ter repassado R$ 100 milhões ao partido, dos quais R$ 18,5 milhões teriam sido pagos ao ex-presidente da República e ex-senador José Sarney (PMDB), pai de Sarney Filho.

No termo de delação que trata da propina a José Sarney, há uma tabela que discrimina esses repasses e que aponta que, dos R$ 18,5 milhões, R$ 400 mil teriam sido repassados, em 2010, ao atual ministro do Meio Ambiente, em forma de doação oficial a campanha. O dinheiro, porém, é proveniente, segundo Machado, de propina de contratos daTranspetro com empresas como a Camargo Corrêa e Queiroz Galvão.

O G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa do Ministério do Meio Ambiente, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

Procurado por José Sarney
Não há detalhes, na delação, sobre como esse dinheiro foi negociado e se Sarney Filhoparticipou das tratativas. Na delação, Machado afirma que foi procurado por José Sarney em 2006.

No encontro, o ex-senador  teria relatado “dificuldades em manter sua base política no Amapá e Maranhão, e pediu ajuda”. O primeiro repasse, conforme Machado, foi de R$ 500 mil em espécie. A partir de 2008, os pagamentos passaram a ser anuais.

Do total de R$ 18,5 milhões, R$ 2,25 milhões foram pagos por meio de doação oficial pelas empresas Camargo Corrêa e Queiroz Galvão. É desse montante que saíram os R$ 400 mil a Sarney Filho. O restante, R$ 16,25 milhões, foi entregue em dinheiro vivo a José Sarney, ao longo de oito anos, segundo Machado.

Responsável pela defesa de José Sarney, o advogado criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, afirmou que ele nega “peremptoriamente” ter recebido qualquer valor, “a qualquer titulo”, de Sérgio Machado.

A Queiroz Galvão informou que não comenta investigações em andamento e que as doações eleitorais obedecem à legislação. A Camargo Corrêa disse com a justiça por meio de um acordo de leniência.

A Transpetro informou que analisa o conteúdo das delações de Sérgio Machado e de seus filhos, que é “vítima da prática de delitos” e que, como tal, será beneficiada pela multa a ser paga pelo delator. A empresa ressalta ainda que “atua em conjunto com a Petrobras e colabora com os Órgãos Externos de Controle, Ministério Público e Poder Judiciário”.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

  • Você também pode comentar usando o Facebook!

Siga-me no Facebook

Contatos


Email: domingos.costa@hotmail.com
WhatsApp: (98) 98807-7894

Publicidade