02
jun
2015

Sumiço de R$ 300 milhões e a situação caótica que Roseana Sarney deixou a segurança

rose

Negativamente, segurança pública do Maranhão durante governo Roseana Sarney foi tema nacional.

O secretário de Segurança Pública do Maranhão, Jefferson Portela, declarou que R$ 300 milhões oriundos de Empréstimo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) contraídos na gestão passada, simplesmente desapareceram no piscar de olhos.

“A SSP dispensou a equipe técnica encarregada de acompanhar as obras com estes recursos. A informação é que não se sabe onde foram aplicados R$ 300 milhões destinados a investimentos na Secretaria de Segurança”, afirmou Portela.

O secretários de segurança ainda destacou que há indícios de negligência em obras destinadas ao setor. O projeto para a construção da nova sede do Instituto Médico Legal (IML),  seria construída em cima de duas pistas da Universidade Federal do Maranhão, inviabilizando a passagem de acesso à Universidade: “Como nós vamos dar andamento a uma obra que vai interditar a UFMA?”, questionou.

Segundo Jefferson Portela, existem obras de quarteis do interior que foram prorrogadas por quase 35 vezes, embora pagas quase que integralmente. “Nós vamos auditar todos esses casos pela Secretaria de Transparência do Estado. Alguém tem que responder por isso”, disse o Secretário que ainda anunciou auditoria em todos os casos onde há suspeira de desvios para que os responsáveis sejam punidos.

Delegacias em situação caótica 

A falta de estrutura na segurança pública deixada pelo governo Roseana Sarney tornou caótica a situação dos estabelecimentos prisionais do Estado que funcionam quase que de forma improvisada no interior. Além das péssimas condições estruturais como problemas de fossa séptica e abastecimento de água, fazem parte também da herança maldita herdada pelo governador Flavio Dino, a ausência de efetivo policial, carcereiro e a falta de condições de segurança mínimas nas delegacias.

Falta de Delegados

Mais de 80 municípios dos 217 do Maranhão não dispõem de delegados de carreira da Polícia Civil. A falta de investimentos ao longo das últimas décadas resultou em uma precarização do serviço e sobrecarga do quadro atual de delegados, que precisam responder por até quatro localidades, em algumas regiões do interior do estado.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

  • Você também pode comentar usando o Facebook!

Siga-me no Facebook

Contatos


Email: domingos.costa@hotmail.com
WhatsApp: (98) 98807-7894

Publicidade

TV TIMBIRA

blank

RÁDIO TIMBIRA

 

Rádio Timbira Ao Vivo