Máximo Moura Lima foi condenado a 29 anos e nove meses de prisão por homicídio duplamente qualificado.

Em operação conjunta da Polícia Civil do Maranhão, através da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC), e da Polícia Civil do Pará, através da Divisão de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR), foi efetuada, na tarde desta quarta-feira (20), em Belém, a prisão de Máximo Moura Lima, de 54 anos, condenado por participação no assassinato do delegado Stênio Mendonça, ocorrido em 1997.

De acordo com a SEIC, Máximo Moura será transferido para São Luís, onde ficará à disposição da Justiça e cumprirá pena. As investigações apontam que Máximo Moura Lima era proprietário e motorista de um dos veículos utilizados no assassinato de Stênio Mendonça.

Máximo estaria acompanhado de Claudenil de Jesus Silva, o Japonês, que já foi julgado e condenado pela participação no homicídio.

Em julgamento realizado em 2013, na 2ª Vara do Tribunal do Júri do Estado do Maranhão, Máximo Moura Lima foi condenado a 29 anos e nove meses de prisão por homicídio duplamente qualificado. Máximo teria que cumprir a pena em regime fechado no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, mas a defesa do acusado reverteu a sentença para que ele respondesse em liberdade. Em 2017, a sentença voltou a ter validade, e Máximo se tornou foragido da Justiça.

E MAIS…

O delegado Stênio Mendonça foi assassinado na manhã do dia 25 de maio de 1997, na Avenida Litorânea, em São Luís. O crime foi articulado por uma organização criminosa que atuava no roubo de cargas no Maranhão e era investigada pelo delegado.