Para aliados, desdobramentos dos protestos de caminhoneiros poderão ser desastrosos…

No Planalto, há quem acredita que o desabastecimento de supermercados e combustíveis levará o povo às ruas, como em 2013.

O temor é que, com a pressão popular, o congresso vire uma panela de pressão e reeleição de aliados de Michel Temer fique comprometida. Até o início da Copa, governistas querem passar ao largo da crise.

A desastrosa decisão do presidente da Petrobras, Pedro Parente, de impor ao Brasil a dolarização da gasolina detonou uma grave crise que deve se agravar, provocando um nível de desabastecimento inédito no País. 

O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, disse que a paralisação só será suspensa quando a decisão de zerar a alíquota do PIS-Cofins virar lei.

Iniciada há quatro dias a paralisação dos caminhoneiros conta com 330 pontos de rodovias interditadas em todo país, segundo balanço divulgado nesta quinta-feira pela Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam).

Além dos caminhoneiros, os protestos tiveram adesão de outras categorias, como motociclistas e motoristas de Uber.

E o caldo parece que vai engrossar ainda mais…