18
out
2016

Miudinhas direto de Raposa

laci

Após 13 anos fora do poder, Laci elege a filha prefeita da cidade que ele foi o primeiro gestor…

Maior líder 

A eleição municipal deste ano serviu para deixar bem claro quem é o maior líder político da história de Raposa: Primeiro prefeito eleito, ainda em 1996 e reeleito em 2000, José Laci é sem dúvida nenhuma o grande expoente do município.

Deu aula 

O pai de Talita deu uma verdadeira aula de como montar coligações. Eudes Barros (PR) fez duas e ao abrir das urnas somente uma chegou ao cociente eleitoral; Já Ociléia fez somente uma temendo que a segunda não fizesse vereador, daí rifou vários nomes acabou perdendo lideranças e ganhou desgaste. Laci montou um tabuleiro, fez uma divisão de 44 candidatos em duas coligação e ao final fez 3 (três) vereadores na primeira (PCdoB, PT e PDT) e 01 (um) na segunda (PSDB e SD) que ainda obteve a maior sobra de votos, pouco mais de mil.

Vice-prefeito I

Laci é mestre na “arte” como político raposense. A escolha do candidato a vice foi por critérios especialmente particulares – assim como em 2012 quando indicou Raimundo Assunção companheiro de chapa da filha -. Pouco antes das convenções, o ex-prefeito já tinha definido por Márcio Greik, daí surgiu a possibilidade de ‘neutralizar’ o Pastor Francisco de Assis, presidente da Assembléia de Deus, e Laci não deixou passar essa chance.

Vice-prefeito II

No que diz respeito a vice, Laci tinha três desafios: não perder o importante apoio do ex-vereador Márcio Greik, indicar alguém popular da maior igreja de Raposa com boa aceitação dentro do próprio grupo, e que fosse filiado ao PSDB. De forma que o empresário Allan da Madeireira encaixou perfeitamente nos planos do líder político. Pessoa da sua confiança, que inclusive, ocupou a titularidade da secretaria de Infraestrutura nos três meses que Talita esteve no cargo de prefeita no primeiro semestre do ano. Por vez, com a indicação de Allan, o Pastor Assis teve que, desta vez, não participar ativamente do pleito eleitoral como fez nas duas eleições municipais anteriores quando indicou os companheiros de chapa dos candidatos que acabara vencendo as eleições (Aroldo em 2008 e Messias em 2012).

Desafio do vice

Agora, o vice-prefeito eleito possui um grande desafio, ser o que seus antecessores não foram. Nenhum dos cinco vices eleitos (Quinca Braga – 1996, Erinaldo – 2000, Fortunato – 2004, Aroldo – 2008 e Messias – 2012 ) conseguiram prosseguir carreira política. Nenhum deles sequer conseguiu eleger-se vereador após deixar o cargo de substituto do chefe do executivo. Será que Allan seguirá o mesmo caminho? Veremos…

“Mãe&filho”

Durante toda a campanha, o professor peemedebista Afonso Emerson (candidato a vice de Eudes Barros) foi taxado pelos próprios aliados de um companheiro de chapa ruim. Mas na prática, o filho da ex-vereadora Lavina mostrou prestigio e força política na sua região, o Araçagy. Não atoa o candidato do PR foi o mais votado nas urnas do bairro. Portanto, o desempenho de Eudes não pode ser atribuído tão somente à vereadora Rosa, a dupla “mãe&filho” tiveram contribuição decisiva na votação. Isso é indiscutível!

Confiança

20140904_215021

Leonardo ao lado da irmã, Talita.

Homem de bastidor, Leonardo Pequeno – teve forte influência direto no resultado da eleição no município. O irmão mais velho de Talita Laci é pessoa da extrema confiança não só da irmã, como também do pai José Laci. Partiu de Leo a maioria das estratégias da campanha vitoriosa. Pequeno deverá ser o secretário de Finanças da próxima gestão municipal.

Vice fraco!

Tido como o candidato a vice mais forte antes das urnas abrirem, Osmar do Feirão mostrou ser, na verdade, uma grande decepção. Além de ruim discurso e de voto, o empresário acumulou débitos e muita reclamação dos próprios aliados. Talvez fique o ensinamento: Em política dinheiro é somente um fator de contribuição, o que vale mesmo são as amizades e o poder de articulação, Osmar não teve nenhum, nem outro!

1º, 2º e 3º suplente

A quem interessar possa, os três suplentes, respectivamente, de cada coligação são, do PCdoB/PDT/PT: Doutor, Nádia e Oliveira; PRB, PRP: Gilson do Cumbique, Jorge Luis e Cleilson; PSDB/SD: Jorge da Arlete, Bandeirinha e Chico Lázaro; PMDB / PR / DEM /PSC /PRTB: Lidia, Elenildo e Zano.

Amuleto do azar

Quer perder uma eleição? Basta convidar o acadêmico de direto Ronaldo Serra – metido a líder de juventude – para fazer parte do grupo político. Além de chato, o rapaz tido como insuportável pelos próprios aliados é um tipo de “bombom de alho” que ninguém aguenta. Em 2012, votou com Talita Laci e perdeu! Quando a jovem assumiu a chefia do município por três meses em 2015, o rapaz levou uma lista de 20 nomes para a prefeita empregar, com a recusa, Ronaldo então decidiu caminhar com Ociléia, e advinha? Perdeu também!

Analfabeta politica

Em um certo trecho dos áudios escandalosos que o blog trouxe a público (LEMBRE AQUI, AQUI e AQUI), Ociléia diz, ainda no mês de agosto, que aposta se o grupo Laci faz mais que um vereador. Segundo a filha de Paraíba a coligação do PSDB sequer chegaria ao cociente eleitoral, e a do PCdoB faria somente uma cadeira, ‘e olhe lá’. Quando abriu as urnas o PSDB fez 01 (um) e ainda teve a maior sobra entre todas as coligações. Já o PCdoB fez 03 (três) direto. Ou seja, Ociléia é uma analfabeta política!

Importante contribuição

14741083_1189669054446595_259305755_n

Barroso Neto fez a diferença no bairro do Araçagy, na reta final…

Discreto, porém atuante. Foi assim o trabalho desempenhado pelo jovem empresário pesqueiro Barroso Neto, na região do Araçagy durante a semana da eleição. Na reta final de campanha, o filho da dona Socorrinho atuou fortemente na conquista de votos em favor do grupo Laci.

Espoca urna 

O semianalfabeto metido a blogueiro Joceilton Gomes, enfrentou as urnas desta eleição como candidato a vereador, o “onagro” saiu da pior forma possível, apareceram apenas 05 votos, repito: somente cinco eleitores tiveram a audácia de votar no sem noção. Joceilton, conhecido também na Raposa como “punhetinha” é o mesmo que difamou e caluniou durante toda a campanha a prefeita eleita. Será que  as urnas falam mesmo?!

Se ferrou

Outro que saiu minusculo nessa eleição foi o ainda vereador [só até dezembro] Frank Neto, do Partido da República (PR). Dos que possui mandato, o parlamentar foi o que teve a menor votação, raquíticos 120 eleitores depositaram confiança. E olha que os votos ainda aparecem como anulados, devido ao indeferimento da candidatura. Esse foi o preço de ter traído o grupo Laci, ao ponto de subir na Tribuna da Câmara para atacar o ex-prefeito. “Eu nunca mais voto no grupo Laci porque são um bando de comunistas”, disse Frank, em setembro de 2015.

Lobista

Ainda falando do vereador Frank Neto, após passar vergonha nas urnas, ele tentou emplacar uma “verde” pra cima do grupo Laci. O parlamentar derrotado inventou que se seus votos fossem validados pelo TRE-MA a coligação do PCdoB perderia a cadeira do vereador eleito Ribamar. Visando benefícios na próxima gestão municipal, Frank propôs em troca, desistir do processo. Mas logo o lobista caiu por terra, uma rápida matemática eleitoral constatou que todos os 11 (onze) vereadores raposenses foram eleitos de forma direta, sem precisarem das sobras. Portanto, os 120 votos do parlamentar validados ou não pela Justiça, nada interferem no resultado da eleição proporcional.

Escutec

O Instituto Escutec cravou o resultado da eleição no município. Na penúltima pesquisa divulgada no dia 24 de setembro, a empresa registrou Talita com 45% das intenções de votos. No sábado seguinte, dia 30, uma nova pesquisa foi registrada pelo Jornal Pequeno, mas a cúpula de campanha do grupo Laci decidiu não publicar para não confundir o eleitorado, vez que os adversários proliferaram diversos resultados de levantamentos fajutos. Na última pesquisa, Talita tinha caído 4% e estava com 41%. Quando as urnas abriram confirmaram exatamente os números da Escutec.

Último colocado

kkkk

Sem conhecer Raposa, Maurício conversa com Chico Moura – eleitor fanático pelo grupo Laci.

O lanterninha desta eleição como candidato a prefeito, Mauricio Almeida, do PSB, tirou míseros 483 votos, apenas 3,18% do eleitorado votou no forasteiro. Particularmente, ainda achei foi muito voto.

Máquina eleitoral

Para quem tinha dúvida do potencial eleitoral da Colônia de Pescadores após o abrir das urnas tudo ficou claro. Desde a primeira eleição no município a entidade elege vereadores. No pleito eleitoral passado, Pierre e Lídia, ambos do PMDB, foram os que usaram a representação dos pescadores para se eleger. Nos pleitos anteriores os que sempre usaram a Colônia para ganhar assento na Câmara foram Walmir e Clodomir. E desta vez foi o marido da presidente, Magno que ainda teve a ‘cara de pau’ de usar o sobrenome da entidade.

Comunista

O presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus (IEAD) conseguiu ‘arranjar’ uma grande desculpa para não votar em Talita Laci (PCdoB), segundo fonte do blog, o Pastor Assis alegou que não votaria em uma candidata de um partido Comunista.

Furiosa

Uma fonte do blog no sítio Veneza descreveu que assim que o resultado da eleição foi divulgado no site da Justiça Eleitoral a candidata Ociléia recebeu os números furiosa, sobretudo, pela diferença de votos de Talita e a pouca margem para o candidato Eudes.  A republicana teria quebrado tudo de vidro que encontrou na sua sala e copa. Ninguém arriscou chegar perto da loira que estava “catita” e taxando tudo e todos de traíras.

Transição

A comissão de transição que receberá o que “sobrar” da prefeitura de Raposa já está formada, será composta em sua maioria por nomes técnicos, o documento foi protocolado ao prefeito [em mãos] na semana passada. Não será surpresa o rombo milionário nos cofres durante a gestão da dupla Clodomir e Ivonete.

Cravou

escutec

Escutec acertou em cheio na Raposa…

A pesquisa Escutec foi tão acertada em seus números que até a posição do três primeiros vereadores a empresa acertou. Na pesquisa do dia 30 de setembro, um dia antes da eleição, Magno da Colônia aparecia em primeiro, Rosa do Araçagy em segundo e Vagner em terceiro. Quando as urnas abriram veio precisamente essa ordem. Incrível!

Esconderam os números

Ociléia e Eudes não divulgaram nenhuma pesquisa durante toda a campanha, mesmo tendo encomendado inúmeros levantamentos, o motivo: Simples, os números eram desfavoráveis a eles. Mesmo sabendo que as chances eram mínimas, insistiam ludibriar o eleitorado alegando que estavam à frente. Ai pergunto: Porque isso? Será que pensavam que a mentira duraria eternamente?

Familiares

Ao contrário dos quatro anos do prefeito Clodomir e dos oito anos do ex-prefeito Paraíba, Talita não usará uma ‘renca’ de familiares como auxiliares diretos. Segundo a prefeita eleita, não mais que dois parentes diretos ocuparão cargos de primeiro escalão.

Pé quente

O ex-vereador Márcio Greik, que coordenou a campanha do prefeito Clodomir em 2012 e agora, em 2016, a de Talita, mostrou que além de jeito para a “coisa” possui o pé mais quente da cidade. Greik foi integrante da cúpula vitoriosa desta eleição e sai como um dos grandes na política raposense.

Pulo errado I

Ainda em setembro, algo em torno de 20 (vinte) funcionários da prefeitura, sobretudo, da Unidade Mista de Saúde, decidiram deixar o cargo, abandonar a campanha de Eudes Barros e declarar apoio à candidata Ociléia, acreditavam eles que a filha do ex-prefeito Paraíba venceria e iria retorná-los para os cargos. Se lascaram! Além de perderem os três últimos meses de salário, ainda ficarão amargando a frustração de ter pulado errado.

Pulo errado II

Por falar em pulo errado, separei alguns nomes que estavam com Talita e pularam para os lados errados: Itamar [filho da Marié], Nélia [Agente de Saúde], Elza [Ex-conselheira Tutelar], Zé Mario [vereador, não se reelegeu], Laurivan [vereador perdeu metade dos eleitores], Cesão [candidato a vereador derrotado], Barbosinha’s [grupo de irmã], Gongo do Calbi [ex-candidato a vereador], Nonato Aguiar [pula-pula], Sonia Vidgal [promotora de evento], Júnior Gomes [metido a locutor], Enderson Aguiar [Organizador do Raposa Mix], Eleilson [Militante do PT], Alberto Cutrim [empresário] e Artur [da Farmácia].

Caiu feio

O vereador Laurivan caiu pela metade seu desempenho nas urnas. Acostumado a falar grosso que seria homem de mais de 800 votos, o parlamentar, apesar de reeleito, despencou mais que abacate maduro. Agora o vereador que traiu o candidato Eudes Barros na semana da eleição, também perdeu a pouca credibilidade que tinha.

Renovação

eleitos

Vereadores eleitos em Raposa.

Certamente nunca na história de Raposa uma Câmara de Vereadores teve tantos vereadores novatos. Joaquim, Ribamar, Josevaldo, Magno, Eliene, Vonei, Beka e Vagner farão parte do parlamento ao lado de Enoque que retorna à Casa, além de Rosa e Laurivan, únicos que conseguiram reeleição.

Presidência

Diversas reuniões já foram realizadas entre grupos de vereadores eleitos no sentido de articular a eleição para a nova mesa diretora da Câmara. Pelo menos três candidaturas à presidência já estão na rua: Do vereador Laurivan(PDMB), da vereadora Rosa (PR) e do novato Beka(PCdoB).

Advogado da Câmara

O ainda vereador Eudes – atual presidente da Câmara, quer eleger sua fiel escudeira Rosa, do PR, como nova presidente, e dessa forma, continuar controlando o Parlamento, assim como vem fazendo há 12 anos como chefe do legislativo. Segundo uma fonte do Blog, caso sua aliada seja vitoriosa, Barros quer ser o advogado da Casa.

Cargos

Pelo menos 15 (quinze) cargos da Câmara, muito deles secretos, são tidos para o vereador Eudes como intocáveis, razão pela qual o atual presidente não pretende deixar que o grupo Laci, tampouco, o grupo Ociléia, vença a eleição do Legislativo. Perder os cargos que possui no Parlamento raposense há tanto tempo, seria o fim para Eudes.

Manipulando

Para criar intriga entre os vereadores eleitos, Eudes agora faz questão de esclarecer que é possível a cada parlamentar possuir pelo menos 04 (quatro) assessorias. Ora, se um vereador pode ter tantos auxiliares, então porque Barros não deu a cada um de seus colegas todas essas assessorias durante as suas gestões? Em vez de apenas uma?!

Outros tempos

Não custa lembrar que Eudes liderou a Câmara durante 12 anos sempre com um prefeito aliado, e portanto, tinha recursos de sobra. Com uma nova gestão executivo municipal sempre existe novo diálogo sobre quanto percentualmente o legislativo receberá mensalmente para custear o limite total de suas despesas. Ou seja, são outros tempos…

Vingança I

talitaeudesocileia

Ociléia não permite que grupo de Eudes vença eleição da Câmara.

Eudes busca fazer a presidência da Câmara com os votos dos vereadores eleitos pelo partido da sua arqui-rival Ociléia, do PRB. Acontece que a filha do ex-prefeito Paraíba alega ser Barros o culpado dela ter ficado tão distante da primeira colocada. Agora a republicana promete lançar candidatura de um nome do seu partido na disputa pelo Legislativo.

Vingança II

Se de alguma forma houve possibilidade dos vereadores do PRB ganharem a eleição da Câmara, Eudes promete fazer aliança com o PCdoB, mas não permitirá que Ociléia ganhe fôlego nesse período pós eleição. A briga agora é para saber quem herdará o nome de oposição.

Odiado 

O vereador Laurivan é uma unanimidade invertida! Ninguém quer ou aceita o vereador como presidente da Câmara. Nenhum dos vereadores do PCdoB, PRB, PMDB, PT, PSDB e PR enxergam um fio de confiança ou poder de liderança no parlamentar.

366 votos de diferença

De uma coisa a população de Raposa tinha ciência, se a eleição tivesse durado mais uma semana o candidato Eudes (4.026) tinha ultrapassado a candidato da PRB. É que a diferença foi muito pequena, apenas 366 votos. Ociléia (4.392) estava em queda livre por conta de diversos fatores negativos da sua campanha: Além de não cumprir acordos, ela não tinha discurso e ainda surgiu os tais áudios na reta final para desmascarar a candidata.

Organização

O grupo Laci deu um show de organização nessa campanha. A divisão de tarefas e a pluralidade de opiniões enriqueceram grandemente a coordenação de campanha. Outro fator positivo foi a atuação em frentes diferenciadas de Talita e Laci. Enquanto um estava numa missão o outro tratava de equacionar um compromisso distinto.

Secretários fantasmas I

Como fica agora a situação daqueles que tinham a promessa de uma secretaria na gestão de Ociléia? O professor Jesuã era o nome da Educação; Cristina Barbosa já estava preparada para Cultura, Olgarina – viúva do saudoso Assub – também assumira a chefia de uma pasta, além das duas irmãs da republicana, Inês seria chefe do Planejamento e Nancy seria a “dona” da Saúde.

Secretários fantasmas II

11046745_363137330558660_6884064153160659056_n

Inês estava crente que retornaria para a secretaria de Planejamento e “Curuginha” seria o titular de Infraestrutura.

Cantando vitória antes da hora, o “empresário” Antônio Carlos, também conhecido por “Curuginha” alardeava que sendo ele o esposo da candidata a prefeita seria, portanto, o secretário de Infraestrutura, deu com os burros n’água!

Áudios

Somam já seis pessoas que foram depor na sede do Ministério Público Eleitoral no processo que investiga os áudios da candidata Ociléia publicado com exclusividade aqui no blog.

Colônia

Um grupo de candidato a vereadores conseguiram reunir provas robustas contra o vereador mais votado desta eleição, segundo contam, Magno usou a Colônia de Pescadores como instrumento político eleitoral. Veremos no que vai dar…

Merecido I

A eleição de Ribamar (PCdoB) para vereador pegou muitos de surpresa. O jovem obteve 291 votos, desempenho menor que sete candidatos que não foram eleitos. Mas de um fato ninguém discorda: Foi uma vitória mais que merecida!

Merecido II

Outro que mereceu a vitória nas urnas foi o guerreiro Vonei (PT). O pestista já tinha disputado vaga para Câmara em 2008, mas ficou apenas na suplência. Já em 2012, foi candidato a prefeito e ficou em último lugar, no entanto, esse ano fez a escolha certa no grupo político e saiu vitorioso para defender o povo de Raposa pelos próximos quatro anos na Câmara.

Perderam tudo

Quais foram os candidatos a vereadores que além de perderem a eleição também perderam a mulher e vice-versa?!

Preocupação 

Familiares têm tido muita preocupação com o estado psíquico da professora Jackeline Carneiro, irmã mais nova [nem tanto] da candidata derrotada Ociléia (PRB). O comportamento da senhora assusta até mesmo os mais próximos dela.

‘Chifrarada’

corno-cod

Traições e casos amorosos proibidos regaram a campanha…

O que teve de ‘chifre’ nesse eleição em Raposa não está no mapa político do Maranhão. É cada caso que arrepia!

Sem regalias

O atual prefeito de Raposa, Clodomir de Oliveira, assinou uma portaria ainda em 2015 decretando a impossibilidade de conceder licença prêmio para o quadro de servidores municipais. A medida deverá ser usados pela nova gestão que pretende fechar a “porteira” de licenças bem como de desvios de funções.

1.900 votos I

Chamou atenção a diferença histórica pela qual a prefeita Talita Laci (PCdoB) venceu a eleição. O resultado de 6.292 votos representa 41,41% dos votos válidos, uma diferença, portanto, de 1.900 votos, a maior de toda a história das eleições municipais da cidade.

1.900 votos II

Nas seis eleições anteriores (1996-2000-2004-2008-2012-2016) esta foi a que possuiu a maior margem do primeiro para o segundo colocado. Na primeira eleição, no ano de 1996, Laci ganhou de Paraíba por 860 votos. Na eleição seguinte, em 2000, o pai de Talita foi reeleito com margem de 705 votos. Em 2004, Paraíba conseguiu se eleger pela primeira vez com diferença de 945 contra Erinaldo. E foi reeleito, em 2008, com vantagem de 1.778 votos contra o ex-prefeito José Laci. Em 2012, a diferença foi a menor da história:apenas 185 votos em favor do atual prefeito Clodomir contra Talita.

Sarney Filho

A escola que Talita obteve a maior diferença de votos foi a Unidade Integrada Sarney Filho, 417 a diferença. Foram 928 votos contra 511 de Ociléia e 472 de Eudes.

Surra

Para se ter uma noção do quanto foi firme a vitória de Talita, a segunda colocada [Ociléia] não conseguiu ficar em primeiro lugar em nenhuma das 13 escolas após sair o resultado das 60 urnas.

Sindicalista

Resultado de imagem para beka Rodrigues

Beka (PCdoB) faz parte da renovação da Câmara.

Ex-presidente do sindicato dos servidores, Beka foi o candidato a vereador do PCdoB com melhor desempenho, 462 votos. Para quem não recorda, ele foi o secretário de Educação durante os três meses que Talita assumiu a prefeitura de Raposa por decisão judicial.

Confirmação

Não foi surpresa a vitória do candidato Josivaldo (PSDB), o empresário agregava muito apoio de amigos além da gigantesca família, sobretudo, no bairro do Cumbique. Antes mesmo de abrir as urnas a eleição de Trajano era dada como certa.

Renovação

O jovem Vagner (PRB) vereador eleito com 475 votos surpreendeu os que o subestimaram. Quem o conhece sabe que até pouco tempo ele não tinha qualquer vocação para política e sequer falava no assunto, o interesse foi espontâneo.

Ruim de voto

Considerada uma das “espoca urnas” desta eleição, a candidata Silvelene, do PRB, apoiada pelo deputado federal Cleber Verde, não conseguiu passar dos 19 raquíticos votos. Ficou na 70º posição, é apenas a 17ª suplente.

Evangélicos

Foi destacado a atuação do grupo de evangélicos em diversas igrejas de Raposa. Liderado pelo vice Alan e os jovem Ricardo, Marcio e Mizoca entre outros, eles percorreram congregações e desempenharam papel de conscientizador.

Cociente eleitoral

votod-rtspodsNessa eleição o cociente eleitoral chegou a 1.385 votos, isto é, cada coligação para eleger o primeiro vereador teve que alcançar esse teto. Das seis coligações montadas, quatro conseguiram, outras duas não.

Proporcional

O grupo Laci teve mais votos nominais tanto para prefeito quanto para vereador, explico: É que a primeira coligação PCdoB, PDT e PT somou 3.018 votos e a segunda, PSDB/SD 2.071 no total de 5.089 na proporcional.

Desempenho das outras coligações

O desempenho das demais coligações de vereadores foi o seguinte: PMDB, PR, PRTB e DEM obtiveram 4.116 votos; O PRB e PRP 3.961; o PEN, PTN, PSDC e PHS 1.035 e o PSB e PTB 104 votos.

Abstenção

1.976 (11,06%) eleitores por algum motivo não compareceram às urnas para escolher entre os candidatos a prefeitos e vereadores. O número da abstenção, portanto, foi dentro do esperado.

Demais números

Compareceram para votar 15.893, desses, 450 votos foram às urnas e erraram o voto [nulo]. 203 enfrentaram às filas das escolas e na frente da urna preferiram votar em branco. Este ano, os votos de legenda somaram 815 votos, de forma que os votos válidos foram 15.240.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

  • Você também pode comentar usando o Facebook!

Siga-me no Facebook

Contatos


Email: domingos.costa@hotmail.com
WhatsApp: (98) 98807-7894

Publicidade

blank

TV TIMBIRA

blank

RÁDIO TIMBIRA

 

Rádio Timbira Ao Vivo