07
dez
2015

Laboratório de Tecnologia contra Lavagem de Dinheiro no MA

Governador Flávio Dino, ao lado do secretário Jefferson Portela, entrega Laboratório de Tecnologia contra a Lavagem de Dinheiro e mais de 700 rádios digitais criptografados APCO 25. Fotos: Jardel Scott/Secom

Governo amplia ferramentas de Segurança Pública.

O Maranhão possui novo sistema de comunicação integrada e análise de dados na área de Segurança Pública. Nesta segunda-feira (7) o governador Flávio Dino entregou o Laboratório de Tecnologia contra a Lavagem de Dinheiro e conheceu o novo sistema de radiocomunicação, já em funcionamento, entre as forças policiais do estado.

O delegado geral da Polícia Civil, Augusto Barros, explicou que o principal objetivo do laboratório é viabilizar as investigações que trabalham com grande volume de dados, na área financeira, com cruzamento de contas, mas, também, com o advento dos sistemas eletrônicos.

O laboratório de Tecnologia contra Lavagem de Dinheiro conta com uma equipe especializada da Polícia Civil, vinculada ao núcleo de inteligência, que participou de treinamentos e cursos específicos nacionais para a personalização dos mecanismos de busca e filtro, por exemplo.

Os policiais que atuarão no setor manipularão softwares avançados de cruzamento de dados, análise de vínculos e ferramentas de pesquisa para geração dos chamados relatórios palatáveis, mais condensados e refinados, que vão facilitar e agilizar as investigações, além de colaborar para a recuperação de ativos oriundos de crimes.

O espaço está equipado com computadores de alta performance com tela duplicada e oito softwares, que trabalham os dados de maneira integrada. Cada licença de software custa, em média, R$ 300 mil. Para a implementação do laboratório, o Ministério da Justiça forneceu capacitações e maquinário necessário, enquanto o poder público estadual ofereceu os recursos humanos e o espaço físico.

De acordo com o delegado geral, o laboratório traz mais agilidade e fortalece o combate à impunidade. “Anteriormente, havia tentativas mais limitadas para gerar os relatórios de forma amadora, com programas rudimentares ou contávamos com o apoio da Polícia Federal e do Ministério Público para este trabalho. Agora, teremos mais agilidade porque documentos que demorariam meses para serem avaliados poderão ser em dias, o que representa um ganho na gestão de investigação criminal, e, mais ainda, na produção de provas para que o judiciário e o Ministério Público promovam a responsabilização, a fim de que os processos-crimes andem mais rápido”, apontou Augusto Barros.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

  • Você também pode comentar usando o Facebook!

Siga-me no Facebook

Contatos


Email: domingos.costa@hotmail.com
WhatsApp: (98) 98807-7894

Publicidade