26
out
2016

Governo do MA inaugura 2ª fábrica de vassouras do Sistema Penitenciário 

maquinario-e-insumos-da-fabrica-de-vassouras-de-itapecuru-mirim-1

Nova fábrica de vassoura do Sistema Prisional do Maranhão capacitará 20 internos da UPR de Itapecuru Mirim.

O Governo do Estado inaugurou, na terça-feira (25), a segunda fábrica de vassouras de garrafas pet do Sistema Penitenciário do Maranhão. O empreendimento, desta vez instalado na Unidade Prisional de Ressocialização (UPR) de Itapecuru-Mirim, vai capacitar, inicialmente, 20 internos daquela unidade. A UPR 6, antigo CDP de Pedrinhas, foi o primeiro estabelecimento penal a receber a fábrica, que já está em operação ali há mais de um mês.

Os detentos contemplados com a capacitação na fábrica foram devidamente selecionados pelas supervisões de Assistência Psicossocial e de Trabalho e Renda da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) que, junto com o Poder Judiciário levaram em consideração fatores como aptidão ao trabalho, bom comportamento e interesse do apenado em participar da atividade profissionalizante, dentro do ambiente carcerário.

Agora, depois da inauguração, os custodiados passarão por treinamento de uma semana para aprender sobre o processo de produção das vassouras feitas de garrafas pet. A estimativa é que, por dia, sejam confeccionadas algo em torno de 150 vassouras. “Essa é mais uma ação com intuito de capacitar os internos e que, com certeza, contribui para eliminar a ociosidade no cárcere e reforça a humanização no sistema prisional”, disse o diretor da UPR, Jorge Henrique Viegas.

Produção

diretor-da-upr_-juiza-da-comarca_-secretaria-adjunta-da-seap_-e-defensor-publico-estadual-abriando-oficialmente-a-nova-fabrica

Nova fábrica de vassoura do Sistema Prisional do Maranhão capacitará 20 internos da UPR de Itapecuru Mirim.

O método de produção das vassouras é simples. Tudo tem início com a limpeza a base de água e sabão das garrafas pet. Depois disso, a garrafa é levada para uma máquina onde é feito um corte no fundo da mesma. A parte cortada é reaproveitada no artesanato. Já o outro pedaço é levado para fazer a filetagem (cortes em fios). Os outros processos são a prensa para fabricação manual da vassoura e a guilhotina para aparar as cerdas.

Além disso, as cerdas são levadas ao forno para serem tratadas. Em seguida, basta ajustar as cerdas na base e grampear, aparar as cerdas, cortando as pontas desiguais e colocar o cabo da vassoura. “É incrível a durabilidade desse tipo de vassoura. Com o mesmo zelo que se tem com uma vassoura comum, esta, porém, se mantém em condições de uso por, no mínimo, três anos”, afirmou a secretária adjunta de Atendimento e Humanização Penitenciária da Seap, Odaiza Gadelha.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

  • Você também pode comentar usando o Facebook!

Siga-me no Facebook

Contatos


Email: domingos.costa@hotmail.com
WhatsApp: (98) 98807-7894

Publicidade

blank

TV TIMBIRA

blank

RÁDIO TIMBIRA

 

Rádio Timbira Ao Vivo