17
abr
2016

Governo admite derrota na Câmara; Dilma vai dizer que lutará até o fim pelo mandato

ase

As poucas ausências no plenário frustram expectativas do governo.

O Globo — O governo admitiu a derrota antes mesmo de terminada a votação na Câmara que define o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Às 20h, quando o placar indicava 195 votos a favor do afastamento, fontes do Palácio afirmavam que a chance de mudar o resultado era zero. Às 20h35m, com 272 votos a favor, auxiliares da presidente diziam que todos os esforços serão centrados no Senado, já que a Casa pode ser mais sensível ao mérito do impeachment, as pedaladas fiscais. Inicialmente, Dilma cogitou fazer um pronunciamento à imprensa, não em rede, condenando a decisão, mas acabou delegando a missão aos ministros Jaques Wagner (Chefia de Gabinete) e José Eduardo Cardozo (Advocacia-Geral da União).

Durante a sessão, líderes do governo se desentenderam sobre chances de evitar o impeachment da presidente. Quando a oposição tinha 206 votos a favor do impeachment, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) admitiu que a oposição iria ganhar devido ao efeito manada. Ao saber da declaração, o deputado Silvio Costa (PTdoB-PE) afirmou que ainda está no jogo e que Orlando errara na conta.

– Esse resultado sinaliza que oposição vencerá. Deputados do PP, PR e PMDB não cumpriram sua palavra e votaram contra (o governo). Dificilmente haverá uma reversão – disse Orlando, quando o governo tinha 53 votos e 3 abstenções de um total de 262 deputados.

Orlando diz que fez uma projeção com base nos votos que ele esperava ter contra o impeachment e que mudaram de lado a partir do Paraná. No estado, segundo suas contas, pelo menos 5 parlamentares trocaram de lado, provocando um “efeito manada” que atraiu o voto de deputados que não querem estar do lado derrotado:

– Em vez de analisar o mérito, quer estar bem do lado vencedor e não pensa nas consequências desse ato. Infelizmente esse é o parlamento brasileiro, presidido por alguém como Eduardo Cunha.

Segundo Orlando, Temer prometeu “mundos e fundos” para ter votos a favor do impedimento. O comunista afirmou, ainda, que o governo deve acolher o resultado “com humildade” e se preparar para o julgamento no Senado:

GOVERNO PROJETOU 130 VOTOS

Antes da votação, integrantes do governo contabilizavam apenas 130 votos contrários à abertura do processo na Câmara. Com a baixa contagem de votos pró-governo, na reta final, a principal aposta do Palácio do Planalto passou a ser as abstenções e ausências de deputados, mas apenas dois deputados não registraram presença na votação e só houve três abstenções até 20h28m. Para o governo, o ideal era que esse número fosse mais significativo.

— A situação está muito difícil. O efeito manada está acontecendo e estamos perdendo votos. Nossa última conta já estava em 130. Agora é trabalhar pelas abstenções e faltas — afirmou um governista que articula o placar do impeachment no início da votação.

Com isto, o clima no Palácio do Planalto passou a ser de pessimismo. A lista de apoios tem reduzido sensivelmente desde a manhã deste domingo. O governo, que chegou a contabilizar sábado cerca de 180 votos, hoje, amanheceu com 140 e nas últimas horas não conseguia superar a marca de 130 deputados. Ainda tentando reverter votos, o sentimento é de que não há mais como convencer e o que oferecer aos parlamentares.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

  • Você também pode comentar usando o Facebook!

Siga-me no Facebook

Contatos


Email: domingos.costa@hotmail.com
WhatsApp: (98) 98807-7894

Publicidade