07
jul
2020

Flávio Dino defende investimentos e obras públicas para dinamizar a economia

Nesta segunda-feira (6) o governador Flávio Dino participou de debate sobre conjuntura brasileira com pesquisadores do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV). A temática da saúde, funcionamento das instituições e economia foram alguns dos eixos debatidos entre os participantes no encontro virtual.

“A economia já vinha mal. Na linguagem da pandemia, o vírus pegou o Brasil com comorbidades. Já tínhamos problemas desde o ano passado, com baixo crescimento do PIB e prolongamento de uma tendência recessiva. O tripé corte de direitos, corte de gastos e privatizações não se sustenta na atual conjuntura”, disse o governador Flávio Dino.

Dentre os estados do Nordeste, o Maranhão foi o que perdeu menos empregos formais durante a pandemia. Para o governador, um dos motivos é o amplo investimento em obras públicas.

“A política econômica deve buscar a expansão da demanda agregada como caminho para retomada do crescimento, do desenvolvimento. Até o momento, não há por parte do Executivo Federal anúncio de medidas eficazes, como geração de emprego, investimentos públicos, obras públicas, não há encaminhamento sobre créditos para micro e pequenas empresas”, pontuou o governador.

Além da questão econômica, Flávio Dino citou a saúde como um dos grandes eixos para o desenvolvimento do país.

“O SUS mostrou virtudes já conhecidas e algumas que eram tradicionalmente esquecidas. Estamos falando de um dos sistemas de saúde mais acessíveis do mundo, que demonstrou eficiência maior do que tradicionalmente se enxergava. Atravessamos uma situação sanitária difícil, mas que com certeza seria muito pior sem o SUS”, disse Dino.

Ao tratar das instituições, outro eixo, o governador comentou que a separação de poderes livrou o Brasil de um despotismo pouco esclarecido e que a ausência de uma coordenação nacional durante a pandemia fez com que estados e municípios agissem o quanto antes para combater o coronavírus no país.

“Em muitos momentos, parecia que estávamos numa confederação e não numa federação devido ao elevado nível de descoordenação e ausência de uma instância nacional que cumprisse o papel federativo atribuído à esfera da União. Tivemos êxito na noção de autonomia, mas fracasso na ideia da coordenação nacional”, afirmou o governador.

Ao ser questionado sobre a política de ajustes fiscais, Flávio Dino defendeu que esse é um horizonte que deve ser alargado, com abordagem de médio a longo prazo, para dar conta da situação excepcional vivida atualmente no Brasil.

“Vamos conviver com essa nova conjuntura nos próximos anos. É necessário que se façam ajustes graduais, levando em conta a questão tributária e aspectos como a modernização, simplificação, incremento da capacidade arrecadatória do estado sem absolutizar apenas um dos termos da equação dívida-PIB. São necessários ajustes que permitam ao longo do tempo reduzir a assimetria dessa relação, não vejo outro caminho, porque qualquer outro caminho esbarra na realidade”, finalizou Dino.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

  • Você também pode comentar usando o Facebook!

Siga-me no Facebook

Contatos


Email: domingos.costa@hotmail.com
WhatsApp: (98) 98807-7894

Publicidade

TV TIMBIRA

blank

RÁDIO TIMBIRA

 

Rádio Timbira Ao Vivo