Rocha perdeu as eleições de 2016, no primeiro e segundo turno; Agora em 2018 saiu minúsculo das urnas…

A aliança que não existe mais entre o senador Roberto Rocha (PSDB) e governador Flávio Dino (PCdoB) começou nas eleições de 2012, quando o hoje tucano ainda no PSB, foi indicado para ser o vice-prefeito de Edivaldo Holanda Junior, então filiado ao PTC.

Naquela disputa, aliado a Dino, Rocha conseguiu êxito e ainda elegeu o filho, Roberto Júnior, vereador da capital.

Dois anos após, em 2014, já eleito senador do Maranhão novamente graças ao apoio do candidato ao governo Flávio Dino, R.R achou de criar intriga com o nome de Marcelo Coelho, que ele tinha indicado para a secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA).

Naquela altura, meados de 2015, tudo não passava de um plano pessoal de Rocha projetando as eleições de 2016 e 2018. Queria “independência”.

Então, veio o rompimento. Roberto, portanto, disputaria a primeira eleição após a aliança sem a ajuda de Flávio. Logo, em 2016, escolheu Welligton do Curso (PP) seu candidato a prefeito de São Luís e, para deixar ainda mais suas digitais, botou o filho vereador candidato a vice.

Ao abrir das urnas ficou apenas na terceira colocação, perdendo para o candidato de Flávio Dino. No segundo turno, apoiou Eduardo Braide (PMN), perdeu novamente para o atual governador.

No ano seguinte, já em 2017, anunciou que disputaria nas eleições vindouras o lugar de Flávio Dino no Palácio dos Leões, para isso, deixou o PSB e ingressou no seu atual partido.

Pois bem, o resultado revelado das urnas do último domingo (07) foi desastroso para R.R, apenas 64.446 votos, o que representa 2.05% do eleitorado maranhense. Ele não esperava tamanho vexame e estratosférica rejeição popular.

Uma vergonha!

Agora, resta para Roberto Rocha a segunda etapa do seu mandato, mais quatro anos até a aposentadoria…

2 Responses so far.

  1. Júlio franco disse:

    Já estou imaginando ele candidato a prefeito de São Luís kkkk.depois que ele eleger Bolsonaro na asa do avião.

  2. Por mim esse cidadão pode aposentar. Nunca mais terá o meu voto. É um desagregador.Acabou com o PSDB. Diminuiu o partido no Maranhão. O contrário do que fez Carlos Brandão.
    Bem feito.