11
Maio
2014

Às mães do Maranhão

Por Flávio Dino

Minha primeira pergunta direta sobre política foi feita para a minha mãe, Rita. Eu tinha 11 anos quando, vendo o noticiário na TV sobre a aprovação da Lei da Anistia, perguntei a ela o que aquela palavra, tão complicada para uma criança, significava. Com simplicidade, ela me explicou sobre o que representava aquele momento para a vida dos brasileiros e para a liberdade da nossa Nação. E me falou sobre a cassação e a prisão injusta que a ditadura impôs contra o meu pai. Passei então a acompanhar, ainda com olhos de criança, a história do Brasil, pois entendi que aquele momento era realmente especial.

Essa lembrança do relacionamento com a minha mãe é uma entre tantas outras que remontam à minha infância na Rua de Santana, no centro de São Luís, onde aprendi a jogar bola e botão, e a empinar papagaio. A partir dessa vivência, sempre admirei a força das mulheres-mães, inclusive daquelas com quem Deus me deu três lindos e maravilhosos filhos.

Com essa admiração e esse respeito ao que significa ser mãe, quando estava escrevendo o nosso Programa de Governo me preocupei especialmente com os sonhos das mães do Maranhão. O principal deles certamente é manter os seus filhos próximos de si. Hoje, ao contrário desse legítimo desejo, milhares de jovens são expulsos do Maranhão pela falta de oportunidades educacionais e de trabalho. E deixam as suas mães saudosas e tristes, como recentemente uma delas me contou no município de Tutóia: seus três filhos estavam morando fora do Maranhão, trabalhando no interior de São Paulo e em Mato Grosso.

Precisamos unir as famílias maranhenses, e para isso precisamos sair dessa inércia governamental e dessa corrupção que travam o nosso desenvolvimento.

Além disso, pensando nas mães, estou defendendo ampliar a Rede de Saúde Cegonha em todo o estado. A partir da diretriz do Governo Federal, queremos implantar uma rede de cuidados para assegurar às mulheres orientações preventivas e a atenção humanizada à gravidez e ao parto.

Ao mesmo tempo, pretendo que a realização de transferências voluntárias de recursos aos municípios seja condicionada a ações de atenção integral à saúde da mulher e de creches no território municipal, aumentando o papel do Governo do Estado na assistência às mães e à educação de seus filhos.

Acima de tudo, é essencial aprender com as mães, que nunca perdem a esperança e acreditam nos seus filhos sempre, mesmo nos momentos de dificuldades. Por isso que sempre digo que o mais importante em um Programa de Governo é ter a visão humanista e afetuosa que o olhar materno nos transmite.

Ao fim, deixo uma palavra bem do fundo do coração para as mães que perderam seus filhos. Eu sei como dói e sangra todos os dias. Mas tenhamos fé no reencontro, diário e eterno.

Feliz Dia das Mães para todas as mães do Maranhão.

1 Comentário

  1. lam disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.esse asfalto se me parece e aquele que a roseana. mandou Luis Fernando liberar em todo o estado; aqui em Presidente Dutra. o prefeito colocou em umas ruas na primeira chuva foi embora. depois ele colocou um mas resistente e aguentou 2 meses.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. eita oligarquia servengonha e povo bom de enganar esse do Maranhão.

Deixe o seu comentário!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

  • Você também pode comentar usando o Facebook!

Siga-me no Facebook

Contatos


Email: domingos.costa@hotmail.com
WhatsApp: (98) 98807-7894

Publicidade

blank

 

TV TIMBIRA

blank

RÁDIO TIMBIRA

 

Rádio Timbira Ao Vivo