23
maio
2016

Antes de completar duas semanas, governo Temer começa desabar

Áudios sobre Lava Jato derrubam Jucá do Planejamento. Ministro anunciou que pedirá licença do cargo, mas será exonerado e não deve voltar ao Executivo

Romero Jucá deixa Planejamento após grampo.

Antes mesmo de completar duas semanas no governo, o ministro do Planejamento, Romero Jucá, deixa a administração interina de Michel Temer. A queda, provocada por revelações de que propôs um “pacto” para conter o avanço das investigações da Operação Lava Jato, foi anunciada oficialmente como uma “licença”.

No governo, porém, a expressão é apenas uma estratégia para amenizar a necessária demissão e tentar blindar a gestão Temer, que tem o prazo máximo de 180 dias para reconstruir os pilares da credibilidade do país e garantir votos necessários para a consolidação do processo de impeachment contra a presidente afastada Dilma Rousseff.

Após entregar a nova meta fiscal de 2016 ao presidente do Congresso, Renan Calheiros, Jucá afirmou nesta segunda-feira que vai se licenciar do cargo a partir de amanhã. Ele disse que preferiu deixar o cargo para aguardar que o Ministério Público Federal se manifeste sobre os áudios em que sugere um pacto para paralisar a Operação Lava Jato e conter a “sangria” provocada pelas investigações. Minutos antes do anúncio de Jucá, Michel Temer afirmou que buscaria “a melhor solução para todos” diante do caso.

O peemedebista afirmou que o presidente interino chegou a pedir que ele ficasse no cargo – e que a decisão de ‘pedir licença’ partiu do próprio Jucá. O Diário Oficial desta terça-feira deve confirmar a exoneração de Jucá do Executivo..

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

  • Você também pode comentar usando o Facebook!

Siga-me no Facebook

Contatos


Email: domingos.costa@hotmail.com
WhatsApp: (98) 98807-7894

Publicidade